segunda-feira, 22 de junho de 2020

BOLO DE CHOCOLATE VEGAN (Sem gluten, sem lactose)

BOLO DE CHOCOLATE VEGAN

Ao 4º dia de quarentena, por imposição da pandemia de Covid-19 e após o seu regresso a Londres, por necessidade de manter o seu posto de trabalho, a minha filhota pôs-me ficar a babar com este bolo que fez.

Mesmo longe continua a dar-me aulas para que eu possa continuar o processo.

Esta receita foi inspirada aqui (está em inglês mas a receita está totalmente transcrita), mas ela fez metade da receita.

Bolo sem gluten, sem lactose e sem ovos. Até pode ser mesmo sem acúcar...

Por gosto próprio fez uma calda de chocolate ("O molho foi a olho: uma colher de sopa de manteiga, um bocado de chocolate em pó, manteiga de amendoim, xarope de tâmaras e leite de amêndoa") que colocou por cima

Aprovado!


"Ingredientes


1 3/4 xícaras de banana amassada (3-4 bananas maduras)
1/3 xícara de maple syrup, açúcar ou pasta de tâmaras
1/2 xícara de água ou leite vegetal
1/3 xícara de cacau em pó
1/2 colher de sopa de bicarbonato de sódio
1/2 colher de sopa de sal
1 xícara de trigo integral ou farinha de espelta
1/4 de xícara de farinha de amêndoa, manteiga de amêndoa ou manteiga de amendoim
1/2 xícara de lascas de chocolate sem leite

Modo de preparação

Pré-aqueça o forno a 180 graus. Forre uma forma de 20 cm com papel manteiga. Para cupcakes, use uma forma de muffin de silicone ou unte uma forma normal de muffin.

Amasse bem as bananas com um garfo ou coloque-as no processador de alimentos para que fiquem bem macias. Adicione água e adoçante ao purê de bananas. Se usar manteiga, adicione nesta altura do processo.

Numa tigela, misture bem os ingredientes secos. Junte a mistura de banana e adicione metade das lascas de chocolate.

Despeje na forma preparada e depois polvilhe as restantes lascas de chocolate.

Asse o bolo por 25 a 30 minutos, até o centro ficar firme (se forem cupcakes deixe cozinhar por cerca de 20 minutos).

Deixe esfriar completamente antes de comer.

Notas da receita

Para reduzir a gordura, pode excluir a farinha de amêndoa ou a manteiga de amendoim. O bolo ficará com uma textura mais densa, mas ainda assim saboroso.
Para obter menos açúcar, não coloque as lascas de chocolate e use nozes picadas.
Para sem glúten, poderá usar farinha sem gluten para todos os fins ou farinha de aveia funcionaria bem, mas eu não tentei. Deixe-me saber se você faz."

domingo, 21 de junho de 2020

COGUMELOS PLEUROTOS GRELHADOS

COGUMELOS PLEUROTOS GRELHADOS



Cogumelos pleurotos grelhados (temperados com sal, colorau ou paprika fumada, alho, azeite).

À parte faz-se um refogado com azeite, cebola picada e alho picado. Adicionam-se ervilhas e "natas" de cajus.

Serve-se em cama de esparguete polvilhado de salsa 💖 e por cima os cogumelos.





As "natas" de cajus são feitas do seguinte modo: colocar os cajus de molho de um dia para o outro no frigorífico. No dia seguinte escorrem-se da água e trituram-se no liquidificador com um pouco de água, azeite, sal, alho em pó.

SALADA DE TOFU MARINADO

SALADA DE TOFU MARINADO 



Tofu marinado com limão, pimenta, azeite e alho. Fica neste "banho" durante pelo menos 1h. 

Acompanhado de abacate, laranja (pode substituir por outra fruta), coentros. Em cama de arroz. Receita da filhota 💝

Receita prática, rápida, fresca e deliciosa.

LASANHA VEGAN

LASANHA VEGAN



Depois de um dia de lides domésticas a filha dá-nos este presente. Obrigada amora 💖 

Fazer molho branco - manteiga, farinha, tapioca desidratada, sal, pimenta, noz moscada, levedura de cerveja, leite não adoçado e um pacote de natas

Recheio - tofu que foi anteriormente congelado. Descongelar o tofu e desfazer com um garfo para ficar com aspecto de "picado". Temperar com alho e cebola em pó, massa de pimentão, molho de soja, levedura de cerveja ou nutricional e azeite. Deixar na marinada umas horas. Saltear um pouco numa frigideira anti-aderente para secar e tostar um pouco. Juntar o molho de tomate e espinafres.

Construir camadas alternadas de molho branco, folhas de lasanha (pré-cozinhar as folhas) e molho de tomate. No final cobrir com queijo ralado.

Atenção: eu disse que era vegan, portanto todos os ingredientes o são. 

GUMBO OU GOMBO VEGAN



GUMBO OU GOMBO VEGAN

Desculpem a má qualidade da foto mas já estava atrasada... 😆


Gumbo vegan (sabe a "sopa da pedra" de Almeirim, para quem já comeu; para quem não comeu só sei dizer que é boa mas boa sopinha). 

Obrigada filhota pelos ensinamentos e refeições deliciosas.

Receita à maneira da minha filha (mais ou menos):

Num pouco de óleo juntar a mesma quantidade de farinha (por exemplo 1 colher de sopa de óleo e 1 colher de sopa de farinha sem fermento) e deixar cozinhar durante cerca de meia hora até ficar com tom castanho (béchamel escuro). Ir mexendo...

Juntar cebola picada e pimento e deixar cozinhar mais 5 minutos. 

Acrescentar alho e salsa picados. 

Cozinhar mais uns 5 minutos. Juntar caldo (líquido) de legumes, tomilho, paprika, cominhos, pimenta, piri-piri, louro. Acrescentar o que se quiser (grão, feijão, brócolos, cogumelos, batata, cenoura, abóbora, etc.). 

Acompanha com arroz ou sem...

"O Gumbo ou Gombo (em português, gombô) é o prato mais marcante da culinária Cajun da Louisiana (sul dos Estados Unidos). É um guisado ou uma sopa grossa, geralmente com vários tipos de carne ou mariscos, que se come com arroz branco, podendo constituir uma refeição completa.
A palavra "gumbo" é de origem incerta, havendo duas fontes prováveis. A primeira é a palavra Bantu "(ki)ngombo", que significa quiabo (um dos ingredientes utilizados para engrossar o molho). A outra fonte possível é a palavra Choctaw "kombo", que significa sassafrás (outro ingrediente utilizado para o mesmo efeito) (Na Louisiana, o pó obtido das folhas secas, localmente chamado "filé", é usado para engrossar o gumbo, e o óleo extraído da casca das raízes era tradicionalmente usado para preparar uma bebida não-alcoólica, chamada "cerveja-de-raiz" ("root beer", em língua inglesa).



A forma mais comum de engrossar o gumbo é começar por criar um roux (a base do molho béchamel, mas mais escuro), feito de farinha de trigo tostada em gordura. São-lhe depois adicionados vegetais cortados (cebola, aipo e pimento são geralmente descritos como "a santíssima trindade" do gumbo) e, finalmente, as carnes, mariscos e enchidos (ex., salsicha andouille ou kielbasa, ambas semelhantes ao chouriço português).
Em vez do roux, alguns gumbos são engrossados com quiabo. Uma terceira forma de engrossar o molho do gumbo é com pó de sassafrás (também conhecido como "pó de filê"). Geralmente não se utiliza quiabo e sassafrás no mesmo prato, mas qualquer um dos dois pode ser utilizado em adição a um roux. Na maior parte dos gumbos modernos, o pó de sassafrás é servido à parte, para que cada um ponha a quantidade que desejar." - Fonte Wikipedia

ARROZ DE COGUMELOS E ALHO FRANCÊS

ARROZ DE COGUMELOS E ALHO FRANCÊS



Nada demais... Cogumelos, alho francês e arroz. Quando uso alho francês não gosto de acrescentar alho nem cebola. Se usar estes ingredientes deve colocar, num pouco de azeite, a cebola picada e deixar amolecer. Juntar o alho picado e deixar também amolecer. Adicionar os cogumelos e o alho francês e deixar novamente fritar aqui em lume alto para secar o mais possível a água que largam.

Como não usei cebola nem alho apenas fritei os cogumelos e o alho francês num pouco de azeite.

Colocar água, ou caldo de legumes, a ferver num recipiente à parte.

Adicionar o arroz, lavado, e deixar fritar (sem juntar ainda a água, o dobro da quantidade de arroz). Quando começar a secar juntar a água, temperar.

Por vezes, a maior parte das vezes, nem o frito... Coloco a água fria no tacho e quando levanta fervura adiciono o arroz e tempero. 

Em qualquer da formas que faça, deixo cozer tapado, em lume brando cerca de 10 a 12 minutos. Desligo o lume mesmo que ainda não esteja bem no ponto, retiro o tacho de cima do bico do fogão e deixo mais cerca de 5 a 8 minutos tapado e assim acaba de cozer e fica solto.

.

RISOTTO DE ABÓBORA E ESPARGOS

RISOTTO DE ABÓBORA E ESPARGOS


Risotto de abóbora e espargos nham nham.
Assei a abóbora no forno, cortada em pedaços temperada de sal azeite e cominhos. Coloquei também 2 dentes de alho abertos ao meio no sentido da largura, com casca, por forma a criarem vapor ao cozinhar e não se queimarem. Durante cerca de 30 minutos, até estarem macias. Triturei tudo tendo o cuidado de retirar a casca aos alhos.

Levei os espargos à ferver em água com sal durante 1 minuto. Retirei e coloquei em água fria. Cortei às rodelas.

Fiz o risotto como normalmente, aproveitando a água de ferver os espargos para ir acrescentando aos poucos. Nada demais... colocar, num pouco de azeite, a cebola picada e deixar amolecer. Juntar o alho picado e deixar também amolecer. Adicionar o arroz, lavado, e deixar fritar (sem juntar ainda a água). Quando começar a secar vão-se juntando pequenas quantidades de líquido de cada vez e mexendo regularmente. É o facto de se mexer regularmente que ajuda o arroz a ficar cremoso (deverá ser arroz que largue muita goma tipo carolino ou próprio para risotto). A receita original leva vinho branco mas eu gosto mais sem esse ingrediente. A meio da cozedura juntei o puré de abóbora.

Quando estiver no ponto (não muito cozido nem al dente, bom .... a gosto!) temperar de sal, pimenta, noz moscada, um pouco de manteiga e queijo. Tudo opcional e com versões vegan que foi como fiz. Se for necessário acrescentar mais liquido, pode juntar água quente. 

Quando o arroz estiver quase cozido juntei os espargos, corrigi o tempero e acrescentei um pouco de creme vegetal (ou manteiga, para quem não for vegan)

Pode juntar o que quiser em vez dos espargos ou juntamente (brócolos, cogumelos, cenouras, feijão verde, alho francês, milho, grão, feijão, tofu, heura, etc.). Se gostar pode acrescentar queijo no final.