quarta-feira, 31 de dezembro de 2014

Receita de Ano Novo
Para você ganhar belíssimo Ano Novo
cor do arco-íris, ou da cor da sua paz,
Ano Novo sem comparação com todo o tempo já vivido
(mal vivido talvez ou sem sentido)
para você ganhar um ano
não apenas pintado de novo, remendado às carreiras,
mas novo nas sementinhas do vir-a-ser;
novo
até no coração das coisas menos percebidas
(a começar pelo seu interior)
novo, espontâneo, que de tão perfeito nem se nota,
mas com ele se come, se passeia,
se ama, se compreende, se trabalha,
você não precisa beber champanha ou qualquer outra birita,
não precisa expedir nem receber mensagens
(planta recebe mensagens?
passa telegramas?)
Não precisa
fazer lista de boas intenções
para arquivá-las na gaveta.
Não precisa chorar arrependido
pelas besteiras consumadas
nem parvamente acreditar
que por decreto de esperança
a partir de janeiro as coisas mudem
e seja tudo claridade, recompensa,
justiça entre os homens e as nações,
liberdade com cheiro e gosto de pão matinal,
direitos respeitados, começando
pelo direito augusto de viver.

Para ganhar um Ano Novo
que mereça este nome,
você, meu caro, tem de merecê-lo,
tem de fazê-lo novo, eu sei que não é fácil,
mas tente, experimente, consciente.
É dentro de você que o Ano Novo
cochila e espera desde sempre.

segunda-feira, 22 de dezembro de 2014

BROAS DE TODOS OS SANTOS (ABRANTES)

BROAS DE TODOS OS SANTOS (ABRANTES)
Esta receita é típica da região de Abrantes e é, normalmente, feita por altura de Todos os Santos (1 de Novembro).

Mas quem diz que só as posso comer nessa altura?

Comprei os ingredientes no tempo certa mas disponibilidade para as fazer foi passado 1 mês e meio e souberam ainda melhor :) É que preciso de ajuda para me segurarem o tacho, pois para além do meu curto 1,53cm o fogão é de placa e o tacho escorrega, falta igualmente a força... Portanto estava dependente da disponibilidade dos outros! Tristeza...!

Para mim existe uma combinação que pode parecer estranha mas gosto tanto!! Broas com tremoços. Pelas alturas de Todos os Santos as minhas avós encarregavam-se de me mimar: a avó paterna cozia os tremoços e a avó materna fazia as broas. Saudades!!! Tinha outro sabor, carregadinhos de carinho!

Ingredientes (cerca de 80 broas)
0,5 L de azeite
1 L de água
750 gr de açúcar  amarelo (ou 0,5 Kg de açúcar amarelo e 250 gr de mel, assim gosto mais)
30 gr de erva doce moída (uso o moedor de café)
10 gr de canela em pó
1 colher de café de sal,
100 gr de miolo de nozes partidas miudinhas (pode colocar até 250 gr.)
1 Kg de farinha (sem fermento, de preferência)
Variante: Pode juntar 1 colher de chá de café solúvel ou 1 chávena de café líquido, substituindo, neste caso, o equivalente de água

Modo de preparação
Picar as nozes para que fiquem em pedaços pequenos mas que se notem ao mastigar as broas.
Colocar num tacho largo o azeite, a água, o açúcar, o mel (se usar), a erva doce, a canela, o sal e as nozes.
Leve ao lume e deixe levantar fervura. Retire do lume e adicione a farinha envolvendo muito bem com uma colher de pau.
Vai novamente ao lume, para enxugar e cozer a farinha, durante 2 a 3 minutos, mexendo continuamente até que a massa se descole das paredes do tacho.
Retire a massa do tacho colocando-a sobre a bancada de trabalho e deixe arrefecer um pouco.
Enquanto arrefecem polvilhe o(s) tabuleiro(s) com farinha e ligue o forno em temperatura alta (coloquei a 200º, depende do forno).
Molde as broas, com a massa ainda quente e coloque-as no tabuleiro previamente polvilhado com farinha e com as costas de uma faca faça-lhes uns traços formando 1 ou 2 losangos (conforme o tamanho da broa), tendo o cuidado de não exercer muita força na faca para que as broas não fiquem espalmadas.
Vão alourar ao forno entre 10 a 13 minutos (conforme desempenho do forno). Assim que estivem louras (não muito) retire. As broas estarão ainda um pouco moles mas endurecem conforme vão arrefecendo e ficam sempre macias por dentro, mesmo que fiquem mais cozidas do que pretendíamos. Se deixar cozer mais ficam crocantes no exterior e macias no interior (é ao gosto).
Polvilham-se com um pouco de açúcar branco (opcional).

Bom apetite!

sexta-feira, 5 de dezembro de 2014

BOLACHAS DE MANTEIGA DE AMENDOIM E CHOCOLATE

Feitas pela filha
A minha filha adora manteiga de amendoim e há muito tempo que andava a dizer "Mãe, temos que fazer bolachas de manteiga de amendoim".

Temos...

Até que se queria teve que ser mesmo tenho (da parte dela). E que boas ficaram!

A receita foi tirada do blogue "A culpa é das bolachas"

DICAS - DESCONGELAR O CONGELADOR


Descongelar o congelador é sempre um trabalho que cá em casa é constantemente adiado para um dia mais oportuno.

Mas a oportunidade tem de ser sempre forçada! O congelador nunca está vazio ...

Definir um dia para a tarefa de modo a que nesse dia tudo o que esteja no congelador caiba nas caixas e sacos térmicos que tenho. Portanto as compras ficam limitadas!

1 ou 2 dias antes coloco os blocos de gelo no congelador
No dia infalível disponho à mão as caixas e sacos térmicos e coloco tudo o que está no congelador lá dentro assim como os blocos de gelo previamente congelados para manter o frio o mais possível, principalmente se for um dia de calor.

Desligo o congelador e coloco um recipiente com água a ferver em cada prateleira (depois de retirar as gavetas) e várias toalhas no chão para absorver alguma água que caia. Fecho a porta do congelador e deixo estar até começar a descongelar. Vou limpando conforme vai descongelando e renovando a água quente nos recipientes e com ajuda de um utensílio de cabo comprido vou soltando os blocos de gelo que teimam em se tornar difíceis de descongelar totalmente (apenas para apressar o processo). E é este o resultado final! 
Ligo o congelador no "turbo"/"super" (o meu tem um botão para congelar mais rapidamente) e coloco os alimentos que estão guardados nas caixas e sacos térmicos.
Uma limpeza!!!

Aproveito para vos deixar uma ligação de como resolver problemas com o frigorífico antes de chamar o técnico, publicado pela Deco Proteste. Basta clicar na frase com a cor diferente.