sexta-feira, 20 de dezembro de 2013

Um doce Natal

A todos um doce Natal! Recheado de Paz, Amor e Saúde.

Muito grata por fazerem parte deste meu "mundo virtual"! 

Beijinhos a todos.

Guilhermina Malta 

terça-feira, 17 de dezembro de 2013

 Por este motivo tenho andado tão afastada do blog! Hoje comemoro a 100ª venda!

Podem fazer encomendas aqui via mensagem privada.





DICA - COMO SECAR ROUPA NO ESTENDAL COM TEMPO DE CHUVA

DICA - COMO SECAR ROUPA NO ESTENDAL COM TEMPO DE CHUVA
Para secar a roupa no estendal com tempo de chuva!

Hoje estava a puxar o meu estendal para debaixo do telheiro e reparei que uma das minhas vizinhas começou a utilizar o mesmo método que eu usava na minha primeira casa.

Não tinha outro modo de secar a roupa em tempos de chuva a não ser colocando um plástico por cima das cordas bem preso com molas da roupa, de forma a tapar o mais possível a roupa toda e com especial cuidado com o limite da janela do vizinho de baixo.

Utilizando este método também deve ter especial atenção, caso o deixe ficar durante a noite nas cordas, de verificar se não está uma noite ventosa pois é provável que o barulho do plástico incomode os vizinhos.

Poderá encontrar plástico que é vendido ao metro em drogarias ou até naquelas grandes lojas de venda de artigos como por exemplo Leroy Merlin, Aki, Pollux, etc. (Lisboa/Portugal).


MEXUDA

MEXUDA
Sobremesa feita com abóbora ou delicioso Leite Creme de abóbora!

Mais um reviver da minha infância! Tinha tanta abóbora que apesar de fazer doces para vender, fiz a quantidade de doces que foi possível armazenar, congelei a que me foi permitido pela capacidade do congelador e fiquei a olhar para a que me sobrou!

Lembrei-me que a minha mãe falava muito na mexuda que a minha avó fazia e que nunca mais tinha comido. Só que no tempo de juventude da minha mãe a mexuda servia de acompanhamento, sendo que ficava com a consistência  de cortar à fatia, sim porque naquele tempo doces e sobremesas só em festas (casamentos e baptizados) e era feita com farinha de milho (que era mais barata) e um fio de azeite e não levava canela, nem era triturada mas sim esmagada com o garfo ou colher de pau enquanto se cozinhava com a farinha. Se necessário acrescentavam água de cozer a abóbora.  

Eu tinha uma leve memória desse sabor, mas esse recordar era que não tinha gostado. Ouvindo quais os ingredientes percebi que seria por ser feita com farinha de milho que a recordação não me motivou a que tivesse experimentado à mais tempo. Resolvi fazer uma breve pesquisa e encontrei uma página na internet "As Receitas da Polly" cujos ingredientes me agradaram e pus mãos à obra. Ficou uma delicia, com uma consistência semelhante ao leite creme e se não souberem qual o ingrediente principal dificilmente acertam!

Creio que esta sobremesa é típica da região do Ribatejo, mas sei que também nessa região existe um prato com o mesmo nome à base de abóbora e feijão catarino com ou sem couves ou nabiça que depois de cozidos é tudo envolvido em farinha de milho em lume brando ou simplesmente colocando os ingredientes num prato de servir substituindo a farinha de milho por pão/broa de milho, uma folha de louro e temperando com azeite e uns pingos de vinagre. Qualquer dia vou fazer esta receita.

Ingredientes

750 g de abóbora (limpa de pevides e cascas)
9 colheres de sopa rasas de farinha (usei amido de milho, Maisena)
12 colheres de sopa de açúcar
600 ml  de leite (pode fazer com a água de cozer a abóbora sendo que fica com mais sabor a esta)
1 tira de casca de limão (sem que vá a parte branca que é amarga)
1 tira de casca de laranja (sem a parte branca)
1 pau de canela

Modo de preparação

Coza a abóbora em água com uma pitada de sal, as cascas de limão e laranja e o pau de canela.

Quando estiver bem cozida retire-a da água coloque-a num passador de rede e deixe escorrer um pouco. As cascas e o pau de canela também são para retirar.

Deite a abóbora num recipiente junte o açúcar e a farinha diluída num pouco de leite (não é necessário grandes cuidados para que não fique com grumos porque o passo seguinte não vai permitir). Triture tudo com a varinha mágica. 

Coloque o preparado num tacho com o restante leite e leve a lume brando, mexendo continuadamente, até a farinha cozer/engrossar e ficar com aspecto de leite creme, sendo que depois de frio fica com uma consistência mais espessa. Enquanto cozinha pode provar e se achar que necessita de mais doce pode ir acrescentando açúcar, se ao terminar achar que está muito espesso junte um pouco mais de leite e se achar muito ralo para o seu gosto acrescente mais farinha diluída em leite tendo em atenção que deve deixar ferver sempre que faça alguma adição, principalmente se juntar farinha no fim do processo tem que dar tempo para que ela coza e engrosse. Para mim ficou excelente com as quantidades mencionadas e quanto ao teor de açúcar ficou no ponto certo (nem muito, nem pouco). A consistência também depende do teor de água com que a abóbora fica (mais ou menos escorrida.

Distribua o creme por taças e depois de frio polvilhe com canela. Numa das taças experimentei fazer o processo de açúcar queimado (com o maçarico) como se de leite creme se tratasse mas, acho que fica muito doce. Se ficar com grumos não se preocupe! Triture com a varinha mágica! E pode sempre experimentar fazer com farinha de milho ou com mistura de farinhas!