quinta-feira, 15 de agosto de 2013

DOCE DE ABÓBORA

DOCE DE ABÓBORA
Em sequência da descoberta, por parte minha filha, que a combinação de doce de abóbora com requeijão é uma maravilha, decidi fazer o doce e é muito fácil e a crítica gastronómica (filha) adorou.

- Mãe, qualquer dia experimentas a fazer requeijão! :)))

Quando este acabou fiz novamente mas constatei que não tinha açúcar branco suficiente e como havia açúcar amarelo juntei metade de cada. Não gostámos tanto! Para além de ficar mais escura o açúcar amarelo sobrepõem-se aos restantes sabores.

Tomei por base a receita do "Delicodoce" sendo que acrescentei 2 cravinhos e tirei 50 gramas à quantidade de açúcar e na altura de o colocar nos frascos também fiz de modo diferente.

Ingredientes
(Por kg de abóbora descascada)

1kg de abóbora
750 grs de açúcar (coloquei 700 grs)
Sumo e raspa de 1 laranja (coloquei a casca da laranja às tiras, só o vidrado sem nada de polpa branca que é amarga)
1 pau de canela
2 cravinhos (opcional)

Modo de preparação

Descasque, lave e corte a abóbora aos cubos. Deite num tacho, coloque por cima o açúcar, o sumo e a raspa ou casca de laranja e deixe repousar cerca de 1h. Leve ao lume até levantar fervura. Reduza para lume brando, coloque o pau de canela, os cravinhos e mexa de vez em quando, para não pegar ao fundo e deixe apurar até obter ponto de estrada (ver nota). Retire do lume e coloque, ainda quente, em frascos previamente esterilizados (ver nota), deixando cerca de 1 centímetro. Tape os frascos e deixe arrefecer, virados para baixo em local fresco mas afastados de correntes de ar, para que criem vácuo e durem mais tempo. Deixar repousar cerca de 24H antes de os virar e arrumar.

NOTA: 
Esterilizar frascos - Lavar muito bem os frascos e tampas (na máquina de lavar ou com água e sabão).  Colocar os frascos e tampas num recipiente e bem cobertos de água. Levar o recipiente ao lume e deixar ferver durante cerca de 10 minutos (faço isso mesmo que tenham sido lavados na máquina). Retire os frascos e as tampas com a ajuda de um garfo, pinça de salada ou pinça de grelhados, no fundo com algo que ajude a segurar neles porque estarão muito quentes e coloque-os a escorrer em cima de um pano, com a "boca" para baixo mas sem limpar com o pano para que as fibras do pano não fiquem nos frascos.

Ponde de estrada - Este ponto é atingido quando ao passar com a colher no fundo do tacho o doce deixa como que uma estrada no fundo, deixando ver o tacho. Outra forma de verificar o ponto pode ser colocando 2 ou 3 colheres do doce num prato e com o dedo passar no meio do doce; se ficar o percurso do dedo deixando ver o fundo do prato, está no ponto. Tenha em atenção que o doce depois de frio fica mais consistente e que o ponto rapidamente passa a rebuçado, pelo que sugiro que ao verificar que com a técnica efectuada no tacho o doce já deixa essa estrada mas ainda se volta a juntar, verifique com o modo do prato, porque no tacho a quantidade é maior portanto a força da gravidade é diferente. Também se levantar a colher cheia de doce e deixar escorrer dela (imaginando como ficará a consistência depois de frio) se lhe agradar o "cair" e se já faz a estrada, está bom!

segunda-feira, 5 de agosto de 2013

PATO COM MOLHO DE LARANJA E ROMÃ

PATO COM MOLHO DE LARANJA E ROMÃ
Comprei um pato e para economizar lembrei-me de separar o peito e guardar o resto para fazer arroz de pato.
Recordando receitas anteriores que li, pois chegada a hora de jantar não havia tempo para ir pesquisar, resolvi recorrer à "memória dos sabores"
Nas receitas normalmente fala em 2 peitos de pato para 4 pessoas, mas achei que seria para 3 pessoas que não comessem muito.
Temperei os pedaços com sal, pimenta e sumo de laranja (depende da quantidade de sumo da mesma, com a que utilizei foi suficiente 1) de forma a que os pedaços fiquem cobertos com o sumo e umas gotas de molho de soja (facultativo)
Assim ficaram o tempo possível (quanto mais tempo melhor!).
Aqueci uma frigideira anti-aderente, dei uns golpes na pele do pato não chegando à carne e selei* o pato em ambos os lados, primeiro com a pele para baixo pois visto não se colocar mais nenhum tipo de gordura será a que o pato deitar e é mais que suficiente.
Quando estiver dourado coloquei num pirex e levei ao forno para acabar de cozinhar.
Entretanto na frigideira onde alourei o pato, aproveitando os seus sucos, juntei o sumo da laranja, o sumo da romã (porque tinha em casa metade de uma que triturei com a varinha e coei por passador de rede com gaze).
Como achei que estava a precisar de um pouco de doce, juntei mel até ficar ao meu gosto.
* Selar consiste no processo de alourar numa frigideira bem quente, para que crie crosta e assim retenha os sucos no interior (não se deve picar).